Quarta, 14 de novembro de 2018
86 9-8108-3425
Brasil

25/06/2018 ás 11h30 - atualizada em 25/06/2018 ás 11h37

129

Ivan Sousa

Piracuruca / PI

Médicos paralisam atendimentos pela 6ª vez em Teresina
Mais
Médicos paralisam atendimentos pela 6ª vez em Teresina

Mais uma vez, os médicos do município de Teresina paralisaram suas atividades nesta segunda-feira(25). A nova advertência acontece hoje e amanhã(26), deixando os atendimentos clínicos e ambulatoriais parados e serviços de urgência e emergência limitados.


A  paralisação é coordenada pelo Sindicato dos Médicos do Piauí (Simepi) que vem mobilizando a categoria desde o mês de maio, a fim de chamar atenção dos gestores públicos sobre as condições em que os médicos, demais profissionais da saúde e a população vivenciam diariamente nos hospitais e Unidades Básicas de Saúde na capital. 


“Iremos reduzir o número de médicos nas urgências e emergências durante os dois dias de paralisação, dentro do que a Lei nos permite, sem colocar a população em risco. Os gestores não estão reagindo ao que estamos reivindicando. É preciso que entendam que a situação está muito grave e que não se deve virar as costas para tudo que estamos denunciando. Ao invés de se omitir, é necessário sentar e negociar”, comentou Samuel Rêgo, presidente do Simepi.


De acordo com o Simepi, as denúncias como à falta de segurança nos locais de trabalho, equipamentos quebrados, medicamentos básicos e essenciais para o tratamento dos pacientes, sobrecarga de trabalho e profissionais insuficientes ocasionaram uma série de fiscalizações nos hospitais municipais, comprovando in loco o teor de tudo que os profissionais vêm relatando.


Nesta terça-feira, dia 26 de junho, os médicos realizarão uma nova Assembleia Geral Extraordinária na sede do Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí, às 19h, para analisar e decidir o novo rumo do movimento. 


MPPI e MPF


Representantes do Simepi se reuniram com o Procurador de Justiça Eny Marcos Vieira Pontes para discutir a atual situação em que se encontra a saúde pública em Teresina, pelo âmbito dos profissionais da área e da população.


Eny Marcos Vieira Pontes explicou sobre a ação da promotoria em relação aos casos que já vem acompanhando. “Nosso trabalho é focado nas demandas coletivas e individuais, priorizando as coletivas por sua abrangência. Dentro dessas demandas coletivas, temos diversas ações judiciais e procedimentos administrativos. Estamos aguardando o posicionamento do poder judiciário em relação a demandas importantes, como ações civis públicas referentes a alguns setores do Hospital de Urgência de Teresina e hospitais de bairro. Houve um avanço. Em relação ao diálogo realizado com o poder judiciário, está sendo possível a realização de audiências de composição com o gestor de saúde pública do município. Com isso, esperamos que essas composições sejam realizadas e cumpridas, para a melhoria da estrutura e da prestação de serviço público de saúde em Teresina”, comentou.


Já no Ministério Público Federal, o Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí, durante a manhã do dia 21 de junho, esteve em reunião com Tranvanvan da Silva Feitosa e Kelston Pinheiro Lages, Procuradores da República do Ministério Público Federal (MPF), para discutir e apresentar problemas relacionados ao caos na situação da saúde pública no município de Teresina, em relação ao atendimento dos pacientes do Sistema Único e Saúde (SUS).


Após os promotores ficarem cientes das denúncias recebidas pelo Simepi, haverá a tentativa de um novo canal de comunicação com gestores da saúde público no município.

FONTE: Da Redação [email protected]

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium